Vamos assumir o nosso próprio eu?

fimdeano_atq

Hello girls!

Sei que o título está no mínimo redundante mas a intenção é essa… Último dia de ano e a gente já começa com aquela listinha de promessas e objetivos para o próximo ano. Queria convidar você a refletir sobre um assunto que todas nós temos experiência: a vontade de querer ser igual ao outro. Não entendeu? Explico melhor. Todo mundo alguma vez na vida – ou pior, sempre -, se mira no outro para definir sua imagem. Quando eu pergunto para as pessoas ou clientes como você gostaria que fosse a sua aparência, sai alguma coisa do tipo “ah, eu gosto da personagem X da novela das nove”, ou então “nossa queria me vestir igual a Camila Coutinho”, ou até “quero ter o cabelo da fulana, as roupas da ciclana, andar igual a não sei quem etc” e por aí vai.

Só que ninguém se lembra que o externo tem que combinar com o interno, senão a imagem fica errada, fica estranha, não cai bem. “Nossa que baboseira”, você pensa. Mas é verdade! Transmitir confiança, inteligência, simpatia, carisma, alegria, competência, ou qualquer outra característica, através da imagem só é possível quando a pessoa já possui internamente essa característica. Senão aquela imagem se desfaz, é apenas uma casquinha que logo se quebra. Gente, não adianta querer ser outra pessoa, não se mire nos outros para construir a sua imagem, se mire em você mesmo.

Não vou dizer que isso é fácil, porque não é! Primeiro é preciso ter autoconhecimento, que ando reparando, é coisa rara hoje em dia. As pessoas estão preferindo olhar pra fora, fingir que são iguais aos outros. Só que uma hora isso explode na nossa cara, ninguém segura uma máscara a vida inteira, é preciso parar um pouco e fazer uma imersão. Tente listar suas qualidades e defeitos, depois tente entendê-los, selecione aquilo que gosta e que quer mostrar para os outros, selecione aquilo que você quer melhorar, selecione aquilo que você precisa mudar (mudar por você, não pelos outros), pense se você quer desenvolver uma nova característica, o por quê e como fazê-lo. Se conheça de verdade, se aprimore e se compreenda. Nem você, nem ninguém, é perfeito. Saiba exaltar e mostrar as suas qualidades, aceite-as e pare de querer ter as qualidades dos outros. 

Esse é o meu objetivo para 2015, me conhecer, me entender, me aprimorar e mostrar o meu eu verdadeiro aos outros, sem influências externas. Qual o seu objetivo para o próximo ano?

Feliz 2015 a todos que me acompanharam esse ano! E que no próximo ano mais pessoas se juntem aqui nesse espaço e compartilhem suas ideias e opiniões conosco.

Bye!

Anúncios

Por que as mulheres não usam roupas do seu tamanho?

roupastamanhoerrado_atq

Hello girls!

O título do post de hoje é uma pergunta mesmo, não foi erro de digitação. Eu, sinceramente, não sei a resposta, mas queria muito saber. Sempre reparei na roupa dos outros, mesmo antes de me tornar Consultora de Imagem. Moda, vestuário é um assunto do meu interesse desde pequena, então é natural que eu repare no que as pessoas vestem. Já com a minha formação consigo reparar e analisar melhor os looks das pessoas. Quem é Consultor de Imagem ou quem já contratou um, sabe que a primeira impressão é fundamental para formar a nossa imagem no outro, e a nossa imagem não é só visual não, a imagem tem a função de refletir como somos por dentro e se fora não está legal, talvez o outro nem queira conhecer o que você é por dentro. Isso faz com que nós percamos muitas oportunidades bacanas na vida, seja de um emprego, ou de conhecer um amigo ou o amor da sua vida. Mas não vou me prolongar muito nisso…

Voltando ao tema do post. Uma coisa que vem me intrigando há um tempo é o tamanho das roupas que não condiz com o tamanho do corpo das mulheres. Tem homens que cometem o mesmo erro? Sim, mas as mulheres são a grande maioria. Se você nunca reparou nisso, quando não tiver nada pra fazer sente em um lugar público, pode ser no shopping, numa praça ou até mesmo num barzinho (um dos melhores lugares para observar isso…), e observe como as pessoas estão vestidas. Ao mesmo tempo, observe também a silhueta, o corpo delas. A roupa que estão vestindo condiz com o tamanho do corpo? Acho que vocês vão ver que na grande maioria não! As magrinhas vestem roupas enormes, super largas que ao invés de delinear o corpo esconde suas curvas, transformando-as em corpos sem forma. Já as mais cheinhas, aquela mulher que tem as gordurinhas a mais, ou são gordinhas mesmo, usam a roupa super apertada, destacando esses detalhes, mostrando as gordurinhas e marquinhas do corpo que elas mesmas julgam inadequadas de serem expostas ao público. O que está acontecendo? Será que é uma praga coletiva de visão distorcida? As mulheres não conseguem mais ver como é seu corpo? Ou elas não conseguem entendê-lo? Ou ainda, a culpa é das lojas que não confeccionam as roupas do tamanho certo? Será?

Não me entendam mal por favor! Não estou falando que as magrinhas não podem usar peças de vestuário soltas no corpo, reparem que soltas é diferente de largas ou grandes. E, também, não estou dizendo que as cheinhas não podem usar roupas ajustadas que é bem diferente de justas, grudadas, coladas ou apertadas no corpo. Poxa gente, o corpo feminino é tão bonito, seja como ele for, tem o seu charme, a sua forma, as suas curvas, que devem ser valorizadas, exaltadas!!! De forma nenhuma devemos depreciar a nossa silhueta. Na hora de escolher sua roupa, se olhe no espelho, mas se olhe de verdade, sem preconceito, sem pressa, analise o seu corpo, analise você! Quando você se entender, estiver bem consigo mesma, tenho certeza que as roupas do tamanho certo virão ao seu encontro. Não queira vestir o que o outro veste, não se mire em atrizes, modelos ou na amiga. Foco total em você! Quando uma pessoa veste aquilo que combina, que cai bem nela, fica tudo tão natural e tão belo.

Desculpem pelo tamanho do post. Sei que não é o tipo de post que vocês esperam encontrar aqui, mas foi meio que uma reflexão, um desabafo… Gostaria muito que quem tivesse paciência de ler tudo dividisse comigo, através dos comentários, a sua opinião. Já repararam nisso? Concordam comigo ou não?

Bye!